Por Leigh Thomas e Simon Carraud

PARIS (Reuters) - Manifestantes colocaram fogo em um banco e saquearam lojas em uma icônica avenida de Paris, em uma nova onda de violência nas manifestações dos "colete amarelos", na França, que entram no quarto mês contra o presidente Emmanuel Macron e suas reformas pró-mercado.

A polícia atirou gás lacrimogêneo e canhões de água à medida em que os protestos ficaram violentos novamente, após semanas de relativa calma durante as marchas e um número cada vez menor de participantes.

Uma filial do Banque Tarneaud foi colocada em chamas antes da chegada dos bombeiros e duas bancas de jornais na Champs Elysées pegaram fogo, enquanto fogueiras queimavam nas ruas.

Manifestantes atiraram paralelepípedos contra a polícia, em meio a nuvens de gás lacrimogêneo à frente do monumento Arco do Triunfo, que havia sido tomado no auge dos protestos, em dezembro.

A polícia prendeu mais de 80 manifestantes até o meio da tarde. Manifestantes saquearam lojas nas redondezas da Champs Elysées e o restaurante chique Fouquet.

O ministro do Interior, Christophe Castaner, afirmou que os protestos eram pequenos comparados com os de algumas semanas atrás, com apenas 8 mil pessoas participando em Paris.

"Mas, entre esses 8 mil, há mais de 1.500 pessoas ultra violentas que estão lá apenas para quebrar as coisas, para lutar e atacar", disse ele, acrescentando que mais de 1.400 policiais foram mobilizados.

"Dei instruções à polícia esta manhã para ter grande firmeza para que nada escape", acrescentou.

(Reportagem adicional de Emmanuel Jarry)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.