Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Marc Frank

HAVANA (Reuters) - O provável sucessor do presidente cubano, Raúl Castro, no início do ano que vem rejeitou exigências dos Estados Unidos para que o país de regime comunista mude seu sistema político-econômico.

Em discurso neste domingo, no qual criticou a pressão dos EUA sobre o governo venezuelano e o que chamou de esforço para desacreditar a indústria do turismo cubano, o primeiro vice-presidente Miguel Díaz-Canel declarou que esses e outros eventos recentes na região provaram que "o imperialismo não pode, nem um pouco, ser confiável".

"Cuba não fará concessões à sua soberania e independência, nem negociará seus princípios ou aceitará a imposição de condições", disse Díaz-Canel, aparentemente respondendo à recente declaração do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na ONU, de que as sanções contra Cuba não serão retiradas até que a ilha do Caribe restaure a democracia e o capitalismo.

"As mudanças necessárias em Cuba serão realizadas apenas pelo povo cubano", acrescentou Díaz-Canel.

Raúl Castro, de 86 anos, anunciou sua aposentadoria da Presidência para fevereiro. Especialistas acreditam que Díaz-Canel, 57 anos, se tornará o primeiro chefe de Estado sem o sobrenome Castro desde o início dos anos 1960.

Cuba não possui eleições diretas para a Presidência.

(Por Marc Frank)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters