Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante entrevista coletiva em Pequim 15/05/2017 REUTERS/Alexander Zemlianichenko/Pool

(reuters_tickers)

PEQUIM (Reuters) - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta segunda-feira que uma apresentação improvisada ao piano realizada nos bastidores de uma reunião em Pequim foi prejudicada por um instrumento desafinado.

Putin foi filmado no domingo sentado a um piano de cauda em uma residência estatal chinesa e tocando alguns acordes hesitantes de duas canções populares da era soviética, "Janelas de Moscou" e "Canção Vespertina".

Indagado sobre sua performance na capital chinesa nesta segunda-feira, Putin disse que estava brincando despreocupadamente com as teclas enquanto esperava um encontro com seu colega chinês, Xi Jinping, em meio a um fórum  internacional.

"É uma pena que o piano estivesse desafinado", disse o russo. "Foi bem difícil tocar, até para mim, que toco com dois dedos. Não posso dizer que toquei, só estava pressionando as teclas com dois ou três dedos".

"Pensei que se o senhor Peskov estava filmando provavelmente era para uso pessoal, para o arquivo", comentou Putin em referência a seu porta-voz, Dmitry Peskov. "Mas eles decidiram publicar. Mas não importa. Acho que não decepcionei vocês".

Outro repórter na coletiva de imprensa perguntou que canção Putin tocaria para o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se eles se reunissem.

"Não sei, acho que precisaríamos encontrá-lo, ter uma conversa, e dependendo do resultado escolher uma melodia", respondeu.

Putin, um ex-espião de 64 anos da KGB, já demonstrou suas habilidades ao piano antes, embora tenha cultivado sobretudo uma imagem mais máscula – que incluiu andar de cavalo na Sibéria, pilotar um caça e mergulhar em submersíveis nas profundezas do lago Baikal e do Mar Negro.

(Por Denis Dyomkin)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters