Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Darya Korsunskaya
MOSCOU (Reuters) - O premiê russo, Vladimir Putin, esfregou os ombros em rappers e foi saudado com "respeito" em um programa da televisão russa na sexta-feira.
Usando um suéter de gola rolê e uma jaqueta, Putin subiu ao palco para distribuir prêmios aos participantes de "Battle for Respect" (Batalha por respeito), uma disputa de hip-hop transmitida pela Muz TV, a rival russa da MTV.
"Teria sido legal gravar uma faixa em conjunto com Vladimir Putin porque ele é uma lenda e nosso ídolo", disse o rapper Zhigan, que venceu a disputa. "Vamos fazer tanto barulho em sua honra que o mundo todo vai ouvir".
Um apresentador disse à plateia de cerca de 100 jovens rappers, em um estúdio de TV dentro de uma fábrica abandonada de Moscou, que queria "sorrisos nos rostos durante toda a noite".
Apesar da imagem violenta do hip-hop, Putin teve uma impressão de vida saudável dos rappers.
"Não acho que o 'top-rock' ou o 'down-rock' (passos de break) são compatíveis com o álcool ou com as drogas", disse Putin aos músicos, que responderam com gritos de "respeito, Vladimir Vladimirovich".
O índice de aprovação de Putin teve a pior queda no mês passado desde que ele deixou a chefia do Kremlin, em maio de 2008. Em outubro sua popularidade ficou em 66 por cento, segundo a empresa de pesquisa FOM.
Os assessores do premiê contra-atacaram com uma enxurrada de aparições do político, que incluíram uma sessão de perguntas e respostas televisionada com o povo russo este mês.
O porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, negou que houvesse uma relação entre a presença de Putin no show com a queda de popularidade.
"O principal objetivo desse evento foi contribuir para a promoção de um modo de vida saudável".
Apesar da queda de popularidade, Putin continua o político mais popular e poderoso da Rússia. Muitos acreditam que ele vai disputar a presidência novamente em 2012.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters