Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante reunião, em Moscou 03/10/2017 Sputnik/Alexei Nikolsky/Kremlin via REUTERS

(reuters_tickers)

MOSCOU (Reuters) - O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta quarta-feira que um ataque militar contra a Coreia do Norte projetado para destruir seus programas nuclear e de mísseis pode não ter sucesso porque Pyongyang pode ter instalações militares ocultas que ninguém conhece.

Moscou se opõe fortemente à ideia de tal ataque --ideia que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tem levantado--, preferindo uma mistura de diplomacia e incentivos econômicos.

    Mas Putin, discursando em um fórum de energia na capital russa, discorreu sobre o tema nesta quarta-feira, deixando claro que tem dúvidas sérias sobre a eficiência militar de tal ação, além de outras preocupações políticas e morais.

    "Será possível um ataque global contra a Coreia do Norte para desarmá-la? Sim. Atingirá seu objetivo? Não sabemos. Quem sabe o que eles têm lá e onde. Ninguém sabe com 100 por cento de certeza, já que é um país fechado."

    Putin e a Rússia têm mais razões que a maioria para estarem preocupados com o programa de mísseis de Pyongyang, dizendo que o local de testes nucleares norte-coreanos está a meros 200 quilômetros da fronteira russa.

    O líder russo também reiterou seu pedido para que todas as opções diplomáticas sejam usadas e para que todos os lados contenham a retórica beligerante. Ele disse ainda pensar que Trump está ouvindo as opiniões da Rússia sobre a crise.

    Mais sanções são uma estrada a lugar nenhum, afirmou Putin ao fórum, dizendo que hoje cerca de 40 mil cidadãos norte-coreanos trabalham na Rússia.

    Sabe-se que estes trabalhadores enviam parte de seus salários com frequência às autoridades da Coreia do Norte.

     (Por Jack Stubbs, Katya Golubkova, Vladimir Soldatkin, Dasha Korsunskaya e Olesya Astakhova)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters