Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Funcionários de emergência trabalham no necrotério central em Freetown 15/8/2017 REUTERS/Ernest Henry

(reuters_tickers)

FREETOWN (Reuters) - Equipes de resgate recuperaram quase 400 corpos após um deslizamento de lama nas redondezas da capital de Serra Leoa, Freetown, disse o chefe legista nesta terça-feira, quando as buscas continuavam por mais vítimas.

O presidente Ernest Bai Koroma fez um apelo aos moradores da cidade de Regent e outras áreas inundadas em torno de Freetown para deixar o local imediatamente para que a equipe militar e outros trabalhadores de resgate pudessem continuar a procurar sobreviventes possivelmente enterrados sob os destroços.

Dezenas de casas foram cobertas de lama depois que uma encosta desmoronou na cidade de Regent na manhã de segunda-feira, em um dos desastres naturais mais letais da África nos últimos anos.

"Conforme a busca continua, reunimos cerca de 400 corpos - mas prevemos mais de 500", disse o chefe legista, Seneh Dumbuya, à Reuters.

Corpos continuavam chegando ao necrotério central da cidade, que está sobrecarregado, disse uma testemunha da Reuters.

"Nosso problema aqui é espaço. Estamos tentando separar, quantificar e examinar rapidamente e depois emitiremos certificados de óbitos antes do enterro", disse Owiz Koroma, diretor do necrotério, que também estimou o número de mortos em centenas.

Para aliviar a pressão sobre o necrotério, as autoridades e as agências de ajuda estavam se preparando para enterrar os corpos em quatro cemitérios diferentes em Freetown na quarta-feira, disse Idalia Amaya, coordenadora de resposta de emergência para a entidade Catholic Relief Services.

Centros de resgate foram instalados ao redor da capital para registrar e auxiliar vítimas.

(Reportagem de Christo Johnson e Umaru Fofana)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters