Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mulher carregando bebê vota em seção eleitoral na cidade de Gatundu, no Quênia REUTERS/Baz Ratner

(reuters_tickers)

Por John Ndiso

NAIRÓBI (Reuters) - Autoridades quenianas estão marcando os dedos de bebês que estão acompanhando suas mães nas eleições desta terça-feira, para combater aqueles que alugam crianças para aproveitar uma lei do país que permite que pais com filhos pequenos evitem longas filas.

"Cada mãe que vem com um filho, marcamos a mãe e também o filho", disse Tabitha Muigai, a presidente de uma seção eleitoral no distrito de Starehe, no centro de Nairóbi.

"(Se) uma mãe vem com um bebê, nós a avisamos que elas não podem dar a outras mães a mesma criança para furar as filas", disse.

O esquema de "bebês para aluguel" era comum em eleições anteriores no Quênia, muitas vezes marcadas por atrasos e longas filas. Na seção eleitoral de Muigai, centenas de quenianos fizeram fila ao redor do quarteirão, entusiasmados para eleger um novo presidente, parlamentares e representantes locais.

A eleição é a última vez em que o líder veterano de oposição, Raila Odinga, de 72 anos, enfrentará seu arquirrival, o presidente Uhuru Kenyatta, de 55 anos.

Reuters