Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

LAMU, Quênia (Reuters) - Moradores de uma ilha queniana construíram um barco feito inteiramente de plástico reciclado coletado durante ações de limpeza do oceano para destacar a ameaça crescente de resíduos de plástico no mar.

O governo queniano impôs no ano passado a lei mais dura do mundo contra sacolas plásticas, segundo a qual os infratores --incluindo produtores, varejistas e quenianos comuns-- correm o risco de serem presos por até quatro anos ou sofrerem multas de 40 mil dólares, em uma tentativa de reduzir a poluição.

Muitas sacolas acabam no oceano, estrangulando tartarugas, sufocando aves marinhas e enchendo os estômagos de golfinhos e baleias.

A construção do barco foi apelidada de projeto FlipFlopi por causa das centenas de sandálias de plástico recicladas que cobrem o navio.

O veleiro de 9 metros, que a equipe construiu com mais de 10 toneladas de lixo plástico, navegou pela primeira vez nas águas da ilha de Lamu, no Quênia, neste sábado.

O lançamento coincidiu com o Dia Mundial da Limpeza, durante o qual grupos ambientalistas realizam atividades para combater a poluição.

O barco é uma profusão de cores, incluindo vermelho, verde, azul e amarelo, devido aos chinelos usados para cobrir o casco e outras partes.

"Esperamos que as pessoas ao redor do mundo se inspirem em nosso belo barco multicolorido e encontrem suas próprias maneiras de reutilizar os plásticos já utilizados", disse Ben Morrison, fundador do projeto FlipFlopi.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters