Navigation

Skiplink navigation

Rússia acusa EUA de atrasar emissão de vistos a autoridades russas

Bandeiras dos Estados Unidos e da Rússia em Vsevolozhsk 27/03/2019 REUTERS/Anton Vaganov reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 04. dezembro 2019 - 13:31

MOSCOU (Reuters) - A Rússia acusou o governo dos Estados Unidos de atrasar deliberadamente a emissão de vistos para autoridades russas em viagem aos EUA, uma ação que alega ter prejudicado ainda mais as relações já tensas entre ambos.

A embaixada dos EUA em Moscou não emitiu os vistos para uma delegação de autoridades do Tesouro russo que deveriam comparecer a uma conferência internacional de gerenciamento de auditoria em Washington na terça, informou a embaixada da Rússia na capital norte-americana na noite de terça-feira.

A embaixada dos EUA não respondeu de imediato às alegações, mas já dissera anteriormente que sua seção consular trabalhava com uma equipe reduzida desde que Moscou ordenara o corte drástico dos funcionários em 2017 durante uma grande disputa diplomática.

A embaixada da Rússia informou não acreditar que os vistos para cidadãos de seu país estavam sendo retidos devido à redução de funcionários.

"Estamos preocupados com a falta de vontade do Departamento de Estado dos EUA para garantir trabalho apropriado de suas próprias organizações consulares sob pretextos falhos", afirmou a embaixada russa em um comunicado.

"Essas ações de autoridades dos EUA estão levando a uma deterioração ainda maior das já difíceis relações entre os dois países", acrescentou.

Em setembro, a Rússia intimou um alto diplomata norte-americano em protesto contra o que dizia ser a inaceitável recusa de Washington para emitir vistos para membros de uma delegação russa que viajava para a Assembleia-Geral das Nações Unidas.

(Por Maria Kiselyova)

((Tradução Redação Rio de Janeiro, +5521 2223 7141)) REUTERS DM ES

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo