MOSCOU (Reuters) - O governo russo demitiu oficiais que permitiram que um ex-funcionário do Kremlin e suposto informante da CIA deixasse o país, reportou a agência Interfax nesta sexta-feira. 

Informações veiculadas na imprensa norte-americana, confirmadas à Reuters por duas fontes, disseram que um informante da CIA no governo russo havia ido para os Estados Unidos em 2017. 

O jornal diário russo Kommersant disse que o funcionário pode ter sido um homem chamado Oleg Smolenkov, que desapareceu com sua esposa, Antonina, e seus três filhos enquanto passava férias em Montenegro em junho de 2017.

O Kommersant mostrou uma foto de uma casa que teria sido comprada posteriormente por uma família com os mesmos nomes em Stafford, na Virgínia, a 65 quilômetros de Washington. 

O Kremlin confirmou que Smolenkov trabalhou na administração presidencial russa, mas disse que ele havia sido demitido em 2016/17 e que ele não era um funcionário sênior. Um diretório telefônico de 2014 visto pela Reuters o lista como conselheiro chefe de Yuri Ushakov, principal assessor de política externa do presidente russo, Vladimir Putin. 

A Rússia disse nesta quinta-feira que havia perguntado aos EUA, através da Interpol, do paradeiro de Smolenkov. 

(Reportagem de Andrew Osborn) 

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.