Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Rebelde separatista pró-Rússia faz guarda no leste da Ucrânia. REUTERS/Sergei Karpukhin

(reuters_tickers)

Por Dmitry Zhdannikov e Maria Tsvetkova

MOSCOU/DONETSK Ucrânia (Reuters) - A Rússia posicionou cerca de 20 mil soldados prontos para combate na fronteira com a Ucrânia e pode usar o pretexto de uma missão humanitária para invadir, afirmou a Organização para o Tratado do Atlântico Norte (Otan) nesta quarta-feira, seu alerta mais contundente até agora sobre um possível ataque terrestre de Moscou contra seu vizinho.

O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou a maior reação econômica de seu país às sanções ocidentais, desencadeando uma guerra comercial do tipo ‘olho por olho’ ao ordenar que seu governo restrinja importações de alimentos de países que impuseram sanções à Rússia.

Num momento de uma escalada nos combates, em que rebeldes vêm perdendo terreno, a Rússia anunciou exercícios militares nesta semana na região da fronteira.

“Não iremos supor o que a Rússia tem em mente, mas podemos ver o que faz no local – e isso preocupa muito. A Rússia posicionou cerca de 20 mil soldados prontos para o combate na fronteira leste da Ucrânia”, declarou a porta-voz da Otan, Oana Lungescu, em um comunicado por e-mail.

Moscou pode usar “o pretexto de uma missão humanitária ou de manutenção da paz para enviar tropas ao leste ucraniano”, disse ela.

Um militar da Otan, falando sob condição de anonimato, afirmou que a mobilização russa na divisa inclui tanques, infantaria, artilharia, sistemas de defesa aérea, tropas de logística, forças especiais e uma variedade de aeronaves.

Um porta-voz do Ministério da Defesa russo repudiou as acusações: “Estamos ouvindo isso há três meses já”.

RETALIAÇÃO

Os Estados Unidos e a União Europeia impuseram sanções brandas à Rússia a princípio, mas as aprofundaram desde que um avião de passageiros malaio foi abatido no leste da Ucrânia no mês passado com um míssil supostamente fornecido pelos russos aos rebeldes. Moscou nega que tenha dado mísseis aos rebeldes.

Nesta quarta-feira, Putin ordenou que seu governo elabore uma lista de produtos de agricultura de países que aplicaram sanções a seu país e que sofrerão retaliação.

Como parte da determinação do presidente russo, o serviço de vigilância veterinária e fitossanitária da Rússia anunciou que vai embargar importações de carne de frango dos Estados Unidos. O país irá também banir importações de todos os produtos agrícolas dos EUA e de todas as frutas e vegetais da União Europeia, disse a agência russa RIA, citando o serviço veterinário.

A Rússia importou 43 bilhões de dólares em alimentos no ano passado, e é o maior comprador de frutas e vegetais europeus e grande comprador de carne, peixe e frango.

(Reportagem adicional de Natalia Zinets e Richard Balmforth em Kiev, Lina Kushch em Donetsk, Barbara Lewis e Tom Koerkemeier em Bruxelas, Maria Kiselyova em Moscou, Mark Hosenball em Washington e Adrian Croft em Londres)

Reuters