Navigation

Rússia quer reativar posto de espionagem da era soviética em Cuba, diz fonte

Este conteúdo foi publicado em 16. julho 2014 - 15:49

MOSCOU (Reuters) - A Rússia negocia secretamente um acordo provisório com Cuba para reabrir uma grande base da era soviética na ilha caribenha, de onde o país espionou os Estados Unidos, disse uma fonte do setor de segurança da Rússia nesta quarta-feira.

Confirmando uma reportagem do jornal Kommersant, segundo o qual a ação teria sido acertada em princípio durante uma visita do presidente Vladimir Putin a Cuba na semana passada, a fonte disse à Reuters que a estrutura de um acordo foi combinada no encontro.

No auge da Guerra Fria, a base de Lourdes, ao sul da capital Cubana, Havana, teve até 3.000 funcionários e foi o maior centro de operações de Moscou no exterior para a coleta de informações a partir de sinais de rádio.

A base, a 250 quilômetros da costa dos Estados Unidos, também foi usada para facilitar as comunicações de navios russos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.