Navigation

Rússia sela novo acordo para fornecer e testar vacina contra coronavírus na Índia

Chefe do fundo soberano da Rússia, Kirill Dmitriev, em Moscou 11/03/2020 Sputnik/Mikhail Klimentyev/Kremlin via REUTERS reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 16. setembro 2020 - 14:25

Por Polina Ivanova

MOSCOU (Reuters) - O fundo soberano da Rússia fornecerá 100 milhões de doses de sua potencial vacina contra o coronavírus à farmacêutica indiana Dr Reddy's Laboratories, informou a entidade nesta quarta-feira agora que Moscou está acelerando os planos para distribuir sua vacina no exterior.

O acordo para sua candidata a vacina Sputnik-5 veio depois que o Fundo de Investimento Direto Russo (RDIF) firmou pactos com fabricantes indianos para produzir 300 milhões de doses de sua vacina na Índia, que também é grande compradora de petróleo e armas russos.

O acordo eleva o número total de doses que a Rússia anunciou até agora que distribuirá no exterior para pouco mais de 200 milhões --metade para a América Latina e metade para a Índia. O RDIF disse que recebeu pedidos que chegam a 1 bilhão de doses.

As remessas para a Índia, que tem mais de 1,3 bilhão de habitantes, podem começar no final de 2020, disse o RDIF, acrescentando que a data está sujeita à conclusão dos testes e ao registro da Sputnik-5 por parte das autoridades regulatórias indianas.

Os testes de estágio avançado, que envolvem ao menos 40 mil pessoas, estão em andamento na Rússia. Os resultados iniciais são esperados em outubro e novembro, disse o chefe do fundo, Kirill Dmitriev.

A Dr Reddy's, uma das maiores farmacêuticas indianas, realizará os testes clínicos de estágio avançado da Sputnik-5 na Índia, comunicou o RDIF.

Os testes indianos podem começar já no mês que vem, disse Dmitriev à Reuters, acrescentando que os resultados dos testes podem ser seguidos pouco depois pela aprovação regulatória doméstica da Sputnik-5 para uso em massa na Índia.

Na semana passada, a Índia disse que estava cogitando conceder uma autorização de emergência para uma vacina contra coronavírus, especialmente para os idosos e as pessoas em ambientes de trabalho de alto risco.

A Rússia foi o primeiro país do mundo a conceder uma aprovação regulatória para uma vacina contra o novo coronavírus, e o fez antes de testes de larga escala terem sido concluídos – o que criou dúvidas em cientistas e médicos a respeito da segurança da vacina.

Atualmente, porém, vários países estão cogitando adotar medidas de "autorização de uso emergencial" que acelerariam a aprovação de uma vacina de uma maneira semelhante.

(Reportagem adicional de Shilpa Jamkhandikar, Anuron Kumar Mitra em Mumbai)

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.