Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Novo presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, na Cidade do Cabo 15/02/2018 REUTERS/Mike Hutchings

(reuters_tickers)

Por Wendell Roelf

CIDADE DO CABO (Reuters) - Cyril Ramaphosa foi eleito presidente da África do Sul em votação parlamentar nesta quinta-feira, depois que Jacob Zuma renunciou ao cargo com relutância, cumprindo ordens do partido governista Congresso Nacional Africano (CNA).

O principal índice do mercado de ações sul-africano subiu quase 4 por cento, o colocando no caminho de seu maior salto em um dia em mais de dois anos, enquanto investidores acolhiam a renúncia de Zuma após nove anos no poder marcados por alegações de corrupção.

O rand, que tem se valorizado sempre que Zuma enfrenta instabilidade política, chegou a uma máxima de quase três anos em relação ao dólar após a renúncia.

Entretanto, o caminho de volta à prosperidade e ao autorrespeito no governo de Ramaphosa, que se tornou o líder do CNA em dezembro, será longo e difícil em uma nação ainda polarizada por questões de raça e desigualdade mais de duas décadas após o fim do apartheid.

Mesmo assim, a saída de Zuma na noite de quarta-feira forneceu evidências da força das instituições democráticas da África do Sul, desde seus tribunais, passando pela mídia e chegando à Constituição.

Ramaphosa foi eleito sem oposição pelo Parlamento como sucessor permanente de Zuma, e declarado devidamente eleito pelo chefe do Judiciário da África do Sul, Mogoeng Mogoeng.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters