Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

AMÃ/BEIRUTE (Reuters) - Rebeldes sírios colocam em dúvida nesta segunda-feira a participação nesta semana das conversas no Cazaquistão apoiadas pela Rússia, acusando Moscou de ter fracassado em fazer com que o governo de Damasco cumprisse por completo o acordo de cessar-fogo ou implementasse gestos de boa vontade, como libertação de prisioneiros.

O governo cazaque informou no sábado que convidou o governo sírio e delegações rebeldes para um encontro em 15 e 16 de fevereiro. Os lados participaram de um encontro similar e indireto na capital cazaque, Astana, no mês passado.

Mohammad Al Aboud, autoridade rebelde sênior, disse que a delegação não estará presente. "Houve violações no cessar-fogo e os russos não cumpriram a promessa de interromper estas violações", disse Al Aboud à Reuters.

Uma segunda autoridade rebelde, falando sob a condição de anonimato, disse que no máximo poucos rebeldes poderão participar, mas somente se for verificado algum progresso nos próximos dois dias. "A delegação (completa) não irá", disse.

(Reportagem de Tom Perry, em Beirute, e Suleiman al-Khalidi, em Amã)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters