Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

AMÃ (Reuters) - Uma redução nas tropas norte-americanas que participam de um exercício conjunto com forças sul-coreanas este ano simplesmente reflete a necessidade de menos pessoal e não é por causa de tensões com a Coreia do Norte, informou o secretário de Defesa, Jim Mattis, neste domingo.

Cerca de 17.500 soldados norte-americanos estão participando do exercício neste mês, inferior aos 25.000 no ano passado, de acordo com o Pentágono.

Com as tensões em alta na península coreana, a China, principal aliado e parceiro comercial do governo norte-coreano, instou os Estados Unidos e a Coreia do Sul a interromperem os exercícios, assim como fez também a Rússia.

Chamados de "Guardiões da Liberdade de Ulchi", os exercícios conjuntos serão realizados de 21 de agosto a 31 de agosto e envolvem simulações computacionais projetadas para se preparar para o impensável: uma guerra com a Coreia do Norte, país com capacidade nuclear.

Mattis disse a jornalistas durante viagem para a Jordânia que o exercício tinha sido planejado com meses de antecedência e que o foco deste ano eram operações de integração.

"Os números são projetados para alcançar os objetivos do exercício e você sempre escolhe o que deseja enfatizar", disse ele.

"No momento, há uma forte ênfase nas operações de pós-comando, portanto a integração de todos os diferentes esforços", disse Mattis.

O rápido progresso da Coreia do Norte no desenvolvimento de armas nucleares e mísseis capazes de chegar ao continente americano provocou maior tensionamento.

(Reportagem de Idrees Ali)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters