Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na Casa Branca, em Washington 20/10/2017 REUTERS/Jonathan Ernst

(reuters_tickers)

Por David Morgan

WASHINGTON (Reuters) - O plano do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reformar o sistema tributário dos Estados Unidos enfrentou crescente oposição de grupos contrários à reforma no domingo, enquanto os republicanos se preparam para apresentar uma legislação que pode eliminar algumas das isenções mais populares para ajudar a compensar impostos mais baixos.

Os republicanos que controlam a Câmara dos Deputados dos EUA não apresentarão seu projeto de lei até quarta-feira. Mas a Associação Nacional de Construtores de Imóveis, um poderoso grupo comercial da indústria imobiliária, já está prometendo derrotá-lo devido a uma mudança que pode afetar o uso de deduções hipotecárias, enquanto líderes republicanos tentam evitar uma oposição a possíveis mudanças a aposentadorias individuais e pagamentos de impostos locais e estatais.

Trump e os republicanos prometeram promulgar a reforma tributária este ano pela primeira vez desde 1986. Mas o plano de conseguir até 6 trilhões de dólares em cortes de impostos para pessoas jurídicas e físicas enfrenta desafios até de republicanos de alto escalão na Câmara.

A associação de construtores diz que o projeto de lei vai prejudicar os preços das moradias nos EUA ao marginalizar o valor das deduções hipotecárias como um incentivo para comprar de residências. O grupo quer que a legislação ofereça um crédito tributário equivalente a 12 por cento dos juros hipotecários e pagamentos de taxas imobiliárias, mas diz que isso foi rejeitado pelos líderes da Câmara.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters