Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestante usa máscara de primeira-ministra britânica, Theresa May, um dia após eleição no Reino Unido, em Londres. 09/06/2017 REUTERS/Clodagh Kilcoyne

(reuters_tickers)

Por Costas Pitas e Kylie MacLellan

LONDRES (Reuters) - Os eleitores britânicos impuseram à primeira-ministra Theresa May um golpe devastador na eleição antecipada convocada pela premiê em busca de fortalecer sua posição para as negociações sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, derrubando a maioria parlamentar do governo e lançando o país em um turbilhão político.

Sem um vencedor claro a emergir da eleição de quinta-feira, uma ferida May sinalizou nesta sexta-feira que irá continuar lutando. Seu principal adversário, o líder trabalhista Jeremy Corbyn, disse que May deveria renunciar e anunciou que deseja formar um governo de minoria no Parlamento.

No dia seguinte a uma das noites mais sensacionais da história eleitoral britânica, políticos e analistas descreveram a decisão de May de convocar a eleição de erro colossal e atacaram seu desempenho na campanha eleitoral.

May, no entanto, demonstrou estar disposta a lutar. Um porta-voz da premiê disse que ela irá ao Palácio de Buckingham pedir autorização à rainha Elizabeth para formar um novo governo.

Com 649 dos 650 assentos do Parlamento definidos, os conservadores, de May, conquistaram 318 vagas. Apesar de ser o partido de maior representação na Casa, a legenda não atingiu a marca de 326 que precisaria para obter uma maioria parlamentar. Os trabalhistas ficaram com 261 assentos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters