Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ministro para a saída britânica da União Europeia, David Davis, durante evento em Estocolmo. 14/02/2017 TT News Agency/Maja Suslin via REUTERS

(reuters_tickers)

Por Daniel Dickson

ESTOCOLMO (Reuters) - O ministro para a saída britânica da União Europeia, David Davis, disse nesta terça-feira que o governo do Reino Unido caminha para cumprir o prazo de final de março para iniciar o procedimento formal de saída da UE, mas que não vê o país formalizando o início do processo de desfiliação em cúpula do bloco no próximo mês.

Autoridades da UE aguardam para saber quando a primeira-ministra Theresa May irá acionar o Artigo 50 do Tratado de Lisboa e iniciar algumas das conversas mais complicadas do Reino Unido desde a Segunda Guerra Mundial para acabar com os mais de 40 anos de participação no bloco.

Em Estocolmo, Davis foi perguntado se espera que May entregue a carta do Artigo 50 em cúpula da UE em Bruxelas em 9 e 10 de março - uma data que a mídia britânica relatou estar sob consideração para evitar confrontos com uma cúpula de outros 27 Estados em 25 de março para celebrar o aniversário de 60 anos do bloco.

"Os dias 9 e 10 não são datas que reconheço em termos de nosso cronograma. O que dissemos é até o final de março, algum momento durante março", disse Davis ao lado da ministra sueca para questões e comércio da UE, Ann Linde.

"Estou confiante de que iremos fazê-lo antes do nosso cronograma, mas não necessariamente antes do que vocês destacaram", acrescentou.

Davis disse estar confiante de que a legislação necessária para May acionar o Artigo 50 será aprovada pela câmara alta do Parlamento britânico "em bom tempo antes do final de março".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters