Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Secretário do Exterior britânico, Boris Johnson. 25/04/2017 REUTERS/Toby Melville

(reuters_tickers)

LONDRES (Reuters) - O Reino Unido consideraria difícil recusar um pedido de assistência militar dos Estados Unidos se o presidente norte-americano, Donald Trump, decidir agir contra o presidente sírio, Bashar al-Assad, devido ao uso de armas químicas, disse o ministro das Relações Exteriores britânico, Boris Johnson.

Os EUA acusaram o Exército sírio de realizar um ataque em 4 de abril no qual dezenas de pessoas foram mortas por um gás venenoso e reagiram lançando mísseis de cruzeiro contra uma base aérea síria, dizendo que não irão tolerar que o governo Assad utilize armas químicas.

O Reino Unido apoiou a reação norte-americana ao ataque químico, mas não se envolveu diretamente. Mas Johnson deu a entender que o governo britânico apoiaria Trump militarmente, se solicitado a fazê-lo, no caso de qualquer ataque futuro com armamento químico.

"Se os americanos fossem forçados mais uma vez pelas ações do regime Assad... e nos pedissem para ajudar, seria difícil dizer não", disse Johnson à rádio BBC.

O chanceler disse que ainda não se sabe se tal assistência militar pode precisar da permissão do Parlamento, que em 2013 votou contra o bombardeio a forças de Assad na Síria para impedi-las de empregar armas químicas.

O ataque de abril elevou as tensões entre potências ocidentais e a Rússia, que vem proporcionando apoio militar ao governo Assad.

(Por William James)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters