Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Maduro fala com a imprensa no Palácio Miraflores em Caracas 22/8/2017 REUTERS/Marco Bello

(reuters_tickers)

Por Brian Ellsworth e Julia Symmes Cobb

CARACAS/BOGOTÁ (Reuters) - As relações entre a Venezuela e os Estados Unidos atingiram o pior momento da história, disse o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, nesta terça-feira em um discurso à mídia internacional feito no palácio presidencial e televisionado à nação.

"Infelizmente estamos no pior momento do relacionamento com o governo dos Estados Unidos", afirmou.

Maduro disse que ele e o presidente norte-americano, Donald Trump, deveriam ser respeitosos um com o outro, que as relações bilaterais deveriam ser normalizadas e um diálogo ser estabelecido.

Mais cedo neste mês, durante uma sessão improvisada com repórteres em Washington, Trump disse: "As pessoas estão sofrendo e estão morrendo. Temos muitas opções para a Venezuela, incluindo uma possível opção militar, se necessário".

Maduro está lutando para conter uma crise política que está abalando seu governo, levou a meses de protestos violentos e à acusação de que ele está tentando estabelecer uma ditadura no país por meio de uma Assembleia Constituinte que foi repudiada nacional e internacionalmente.

A Venezuela também está sendo assolada por uma crise econômica grave que tem provocado uma escassez crônica de alimentos e remédios.

Durante seu discurso desta terça-feira, Maduro falou longamente sobre ações que os EUA realizaram na região e em outras partes, mencionando em especial a guerra no Iraque.

Maduro, como seu antecessor Hugo Chávez, brada frequentemente contra Washington, a quem atribui os problemas de sua nação, entre eles a inflação esmagadora e o colapso da moeda nacional.

Nas últimas semanas Caracas reprimiu a oposição, inclusive uma das críticas mais duras de Maduro, a procuradora-geral Luisa Ortega. Ela fugiu para a Colômbia na semana passada com seu marido, que é parlamentar, depois de dizer que temia por sua vida. Ela está a caminho do Brasil, de acordo com as autoridades colombianas.

Durante seu discurso, Maduro disse que a Venezuela buscaria um mandado de prisão internacional para Ortega, a quem ele acusou de ter trabalhado com os Estados Unidos por um longo tempo.

    (Reportagem adicional de Diego Oré)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters