Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Roberta Rampton

WASHINGTON (Reuters) - Políticos republicanos dos Estados Unidos cobraram neste domingo o novo chefe de gabinete do presidente Donald Trump, John Kelly, a controlar o caos na Casa Branca, e disseram que o general aposentado da Marinha terá o enorme desafio de colocar a situação em ordem.

Há seis meses no cargo, Trump alterou o modo de funcionar da Casa Branca com um estilo vago de tomada de decisão e uma política de portas abertas para conselheiros internos e externos. Conflitos internos entre seus funcionários de alto escalão se tornaram amargos e públicos.

"Ele vai ter que reduzir o drama, diminuir tanto o tiroteio interno quanto os vazamentos e trazer alguma disciplina para os relacionamentos", disse Karl Rove, estrategista republicano e ex-conselheiro de George W. Bush na Casa Branca, ao programa "Fox News Sunday".

Trump anunciou que Kelly substituirá seu chefe de gabinete Reince Priebus no final de uma semana particularmente caótica que viu seu primeiro esforço legislativo --a reforma da saúde-- falhar no Congresso.

"Ele (Trump) está com muitos problemas. Esta semana foi a mais tumultuada em uma Presidência tumultuada", disse Rove.

Além do desastre da área da saúde, Trump foi atacado ao banir transgêneros do Exército e criticado por politizar um discurso aos escoteiros.

Para colocar mais lenha na fogueira, seu novo diretor de comunicação, Anthony Scaramucci, fez uma série de críticas a Steven Bannon, estrategista de Priebus e Trump, a um repórter da revista New Yorker.

Os republicanos parabenizaram a decisão de Trump em trazer Kelly, que começa segunda-feira no cargo.

"Acredito que ele trará alguma ordem e disciplina para a Ala Oeste", disse a senadora republicana e crítica do Trump Susan Collins no programa "Meet the Press", da NBC.

É provável que Kelly seja designado a guardião do salão oval, de acordo com Mike Huckabee, ex-governador republicano do Arkansas e cuja filha Sarah Sanders é a porta-voz de Trump.

"Isso é o que precisa acontecer, mas vai depender do presidente", disse Huckabee na Fox News.

"O presidente tem um estilo muito diferente, ele é muito aberto, a porta está aberta, ele convida as pessoas a apenas chegarem a uma reunião", disse Huckabee.

Reuters