Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da Câmara dos EUA, Paul Ryan, deixa da Casa Branca, após reunião com o presidente Donald Trump 24/03/2017 REUTERS/Carlos Barria

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - Republicanos no Congresso dos Estados Unidos disseram que não tinham os votos necessários para aprovar sua reforma do sistema de saúde, depois que o presidente Donald Trump exigiu uma votação nesta sexta-feira, em uma aposta que pode prejudicar seu mandato como presidente.

Em meio a uma disputa caótica por votos, o presidente da Câmara dos Deputados, Paul Ryan, que defendeu o projeto de lei, se encontrou com Trump na Casa Branca. Ryan disse ao presidente que não havia votos suficientes para aprovar o plano, informou a mídia dos EUA.

A disputa final no plenário da Câmara ocorre após decisão de Trump de interromper as negociações para reforçar o apoio dentro de seu próprio partido, com os moderados e mais conservadores empacados sobre a matéria. Na quinta-feira à noite, ele deu um ultimato para que os parlamentares aprovassem a lei que tem o seu apoio ou mantenham a lei do Obamacare, que os republicanos têm procurado desmantelar desde que foi promulgada, há sete anos.

"Vamos ver o que acontece", afirmou Trump na Casa Branca, acrescentando que Ryan deve manter seu cargo, independentemente do resultado.

A Casa Branca disse que a votação foi marcada para as 16h30 (horário de Brasília) de sexta-feira.

"Não há ninguém que objetivamente pode olhar para este esforço e dizer que o presidente não fez tudo o que ele poderia com esta equipe para obter cada voto possível", declarou o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, a repórteres.

Os republicanos controlam o Congresso e a Casa Branca, mas têm profundas divisões sobre o primeiro grande teste legislativo desde que Trump se tornou presidente, em 20 de janeiro.

(Por Richard Cowan e Dustin Volz)

Reuters