Navigation

Republicanos mantêm pressão para confirmar indicada à Suprema Corte, apesar de Trump estar com Covid-19

Juíza Amy Coney Barrett, em Washington 29/9/2020 Demetrius Freeman/Pool via REUTERS reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 02. outubro 2020 - 18:29

Por David Morgan

WASHINGTON (Reuters) - Os republicanos do Senado dos Estados Unidos disseram nesta sexta-feira que vão pressionar pela manutenção do processo de confirmação de Amy Coney Barrett para uma vaga na Suprema Corte dos EUA, apesar de o presidente norte-americano, Donald Trump, ter obtido um teste positivo para a Covid-19, e as audiências no Comitê Judiciário da Casa seguem marcadas para começarem em 12 de outubro.

O líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnnell, disse que o Senado seguirá adiante com a confirmação de Barrett. Trump, que também é republicano, pediu que o Senado aprove a indicação de Barrett, uma juíza federal de apelações, feita por ele até a eleição presidencial de 3 de novembro. Se confirmada, a chegada dela à Suprema Corte formará uma maioria conservadora de 6 votos a 3 no tribunal.

"Acho que podemos prosseguir. Nosso maior inimigo, obviamente é... o coronavírus, manter todos saudáveis, bem e posicionados para fazermos nosso trabalho", disse McConnell a um programa de rádio.

"Á frente e a todo vapor", disse um assessor do presidente do Comitê Judiciário. Lindsay Graham, quando indagado se o cronograma que prevê o início das audiências em 12 de outubro seria alterado.

Esse assessor acrescentou que Graham conversou com Trump na manhã desta sexta e que a primeira coisa que o presidente perguntou foi sobre os planos do Senado para a confirmação de Barrett.

Barrett, que se reuniu com Trump pela última vez no sábado, teve teste negativo para o coronavírus e está seguindo as orientações do governo sobre distanciamento social e outras melhores práticas, de acordo com uma autoridade da Casa Branca. O encontro dela com Trump aconteceu quando o presidente a indicou e, desde então, ela tem se reunido com senadores no Congresso dos EUA acompanhada do vice-presidente, Mike Pence, que também teve teste negativo.

McConnell descreveu a decisão do Senado sobre aprovar ou não a indicação de Barrett como sendo "frontal e central para o povo americano" e disse que a Casa deve agir após uma recomendação do comitê no dia 22 de outubro. Os republicanos controlam o Senado com uma maioria de 53 a 47 e a aprovação da indicação de Barrett parece estar assegurada, apesar da oposição dos democratas.

Os democratas afirmam que o nome a ocupar a vaga atualmente aberta deve ser indicado pelo vencedor da eleição presidencial, uma opinião partilhada pela maioria dos norte-americanos em pesquisas recentes de opinião.

Em 2016, McConnell se recusou a analisar a indicação à Suprema Corte feita pelo então presidente democrata, Barack Obama, afirmando que tal ação não deveria ser feita durante um ano eleitoral.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.