Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Rosalba O'Brien

SANTIAGO (Reuters) - Uma série de tremores atingiu a região central do Chile na tarde desta sexta-feira, deixando moradores preocupados com a possibilidade de um tremor forte ser iminente e acabe provocando o fechamento de escolas e locais de trabalho.

Ao menos sete tremores ocorreram no mar da cidade costeira de Valparaíso em menos de uma hora, com os mais fortes abalando prédios na capital chilena, Santiago, a cerca de 102 quilômetros de distância.

    O Serviço Geológico dos Estados Unidos informou que o tremor mais poderoso, que ocorreu por volta das 13h05, no horário local, teve magnitude 5,7 e profundidade de 14 quilômetros, com o epicentro a 20 quilômetros a oeste de Valparaíso.

    Nenhum dano foi relatado pelo escritório de emergências e a Marinha informou que o tremor não foi severo o suficiente para causar um tsunami.

    Mas moradores correram para casa do trabalho e escolas foram avisadas para fecharem mais cedo.

“Esta cadeia de tremores causou muita preocupação e famílias querem ficar juntas”, disse o prefeito da cidade de Valparaíso, Jorge Sharp, em comentários televisionados. Autoridades aconselharam cidadãos a garantirem que tenham kits de emergência prontos.

O Chile, que fica no “Círculo de Fogo” do Pacífico, é um dos países mais propensos a terremotos no mundo. Empreiteiras seguem rígidos códigos de construção e chilenos estão em geral acostumados aos comuns tremores do país.

Mas a série de tremores desta sexta-feira segue uma semana inteira de tremores mais fracos centrados próximos a Valparaíso, após um terremoto de 6,9 de magnitude ocorrer na segunda-feira.

“Serviços estão funcionando. O problema é a angústia e ansiedade em que estamos vivendo, isto não aconteceu antes”, disse Gabriel Aldoney, prefeito da região de Valparaíso.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters