Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BEIRUTE (Reuters) - O governo sírio protestou à Organização das Nações Unidas (ONU) contra o ataque aéreo da coalizão liderada pelos Estados Unidos contra o Estado Islâmico, que teria matado 26 civis em Hajin, na região Deir al-Zor, no leste, informou a imprensa estatal neste sábado. 

Questionado sobre notícias de ataques aéreos à região na sexta-feira, o porta-voz da coalizão disse que haviam "atingido e destruído um posto de observação do Estado Islâmico e uma área de teste em Hajin, sem civis naquele momento".

O Observatório Sírio de Direitos Humanos informou que 41 pessoas, inclusive 17 crianças, foram mortas em duas ondas de ataques aéreos da coalizão na sexta-feira em Hajin e na vila próxima de al-Shafa, ao leste do rio Eufrates. 

Conforme a organização, as mortes foram majoritariamente de iraquianos e parentes de soldados do Estado Islâmico. 

A coalizão está apoiando as Forças Democráticas Sírias, lideradas pelos curdos, na tentativa de derrotar o Estado Islâmico na área que o grupo controla perto da fronteira com o Iraque. 

A imprensa estatal da Síria informou que o ministro de Relações Exteriores escreveu ao secretário-geral da ONU e ao presidente do conselho de segurança sobre o "crime" em Hajin. 

O coronel Sean Ryan, porta-voz da coalizão, disse: "Nossa equipe analisa todos os ataques para determinar a credibilidade de qualquer denúncia de morte de civil que eles veem na imprensa".

(Por Tom Perry)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters