Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Caren Bohan
WASHINGTON (Reuters) - Altas autoridades dos Estados Unidos disseram no domingo que a desistência de Abdullah Abdullah do segundo turno das eleições em que ele desafiava o atual presidente Hamid Karzai não vai complicar as decisões do presidente americano Barack Obama sobre a estratégia de guerra que vai utilizar no Afeganistão.
A secretária de Estado, Hillary Clinton, deixou claro que o governo Obama vai trabalhar com o governo de Karzai se ele continuar no poder, como parece que vai acontecer.
"Essa é agora uma questão para as autoridades afegãs decidir uma maneira que conclua esse processo eleitoral em linha com a Constituição afegã", disse Clinton em um comunicado enviado por email enquanto ela viaja ao Marrocos.
"Daremos apoio ao próximo presidente e ao povo do Afeganistão, que busca e merece um futuro melhor".
Hillary também pediu que Abdullah "permaneça envolvido" e trabalhe pela paz no Afeganistão.
O alto assessor do governo de Obama David Axelrod disse que Abdullah "tomou uma decisão política de sair do processo eleitoral e que isso não muda significativamente a situação."
Axelrod disse ao programa "Face the Nation" na rede de TV CBS que Abdullah "está se estabelecendo como o líder da oposição mas que todas as pesquisas indicavam que ele seria derrotado de qualquer maneira."
A desistência de Abdullah pode colocar em dúvida a legitimidade do governo de Karzai justo quando Obama está decidindo se envia 40 mil soldados adicionais para o Afeganistão.
Abdullah acusou Karzai de não atender a seu pedido de uma eleição justa.
Autoridades eleitorais do Afeganistão disseram que o segundo turno aconteceria com ambos os nomes nas cédulas mas com Karzai como o único candidato.
(Reportagem adicional de Donna Smith e John O'Calaghan)

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters