Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante declaração na Casa Branca, em Washington 14/08/2017 REUTERS/Jonathan Ernst

(reuters_tickers)

Por Christian Lowe

MOSCOU (Reuters) - As novas sanções dos Estados Unidos contra Moscou levaram líderes empresariais da Rússia a reconhecerem que a chegada de Donald Trump ao poder não irá levar a um boom de investimentos estrangeiros.

Depois que Trump assumiu como presidente dos EUA, alguns investidores disseram que estariam dispostos a cogitar novos acordos com empresas russas se vissem sinais de que os laços bilaterais estavam melhorando e que as restrições norte-americanas a negócios com a Rússia estavam sendo amenizadas. 

Mas as novas sanções, aprovadas por Trump em 2 de agosto, acrescentam novas medidas e codificam seis decretos assinados pelo ex-presidente Barack Obama, tornando mais difícil para Trump revogá-las.

Para a comunidade empresarial de Moscou, a mensagem é clara: não há perspectiva imediata de Washington abrandar sua postura com a Rússia.

"A Rússia enfrenta a codificação de sanções que parecem indicar que serão tremendamente difíceis de suspender e que provavelmente continuarão em vigor por um prazo muito longo", disse Tim Ash, estrategista da administradora de recursos BlueBay de Londres.

"O simples fato de que os EUA e governos ocidentais... consideraram apropriado impor sanções à Rússia envia ao menos um alerta laranja às empresas ocidentais: sejam cuidadosas em suas transações com a Rússia".

Inicialmente os EUA impuseram restrições financeiras e de viagens a Moscou em 2014, depois que a Rússia anexou a península da Crimeia da Ucrânia na esteira da queda de um presidente pró-Moscou em Kiev.

As medidas mais recentes permitem ao Congresso bloquear qualquer esforço do presidente de suavizar ou suspender as sanções existentes, endurecem algumas delas e impõem novas restrições a alguns setores.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters