Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Secretário de Defesa dos EUA Mattis faz discurso em Munique. 17/2/2017. REUTERS/Michael Dalder

(reuters_tickers)

MUNIQUE (Reuters) - O secretário de Defesa de Donald Trump alertou a respeito de, segundo ele, um “arco de instabilidade” na periferia da Europa e disse a nervosos aliados que os EUA ficariam junto com os parceiros da Otan para enfrentar ameaças comuns.

Os comentários do secretário de Defesa, Jim Mattis, durante a Conferência de Segurança de Munique se dão no momento em que a Europa teme que Trump possa deixar de exercer o papel de liderança dos EUA, quando o continente lida com uma Rússia agressiva, guerras em países do leste e do sul do Mediterrâneo e ataques de militantes islâmicos.

Mattis afirmou que os EUA e os seus aliados europeus tinham uma compreensão compartilhada dos desafios adiante.

"Todos nós vemos a nossa comunidade de nações sob ameaças em frentes múltiplas uma vez que o arco de instabilidade se forma na periferia da Otan e mais além”, afirmou Mattis.

O ministro da Defesa do Reino Unido, Michael Fallon, e a presidente da Lituânia, Dalia Grybauskaite, apontaram a Rússia como a ameaça principal, embora tenham dito que o Ocidente precisava conversar com Moscou.

Nesse sentido, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, falou com o ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov, em Munique, e viu avanços no esforço para incentivar Moscou a ser mais aberto sobre os seus exercícios militares que, segundo a aliança, são imprevisíveis.

A Rússia diz que é a aliança ocidental, e não Moscou, que está desestabilizando a Europa ao enviar tropas para as fronteiras do oeste russo.

"Nós temos diferentes visões”, disse Stoltenberg sobre a crise na Ucrânia. O Ocidente acusa o Kremlin de armar rebeldes separatistas na Ucrânia, num conflito que já matou mais de 10 mil pessoas desde abril de 2014. A Rússia diz que o conflito é uma guerra civil.

(Por Phil Stewart e Robin Emmott)

Reuters