Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Secretário de Justiça dos Estados Unidos, Jeff Sessions, durante coletiva de imprensa, em Washington 20/07/2017 REUTERS/Aaron P. Bernstein

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - O secretário de Justiça dos Estados Unidos, Jeff Sessions, planeja anunciar em breve várias investigações criminais sobre vazamentos de inteligência, segundo notícias na mídia nesta quarta-feira, conforme a principal autoridade de aplicação da lei do país enfrenta críticas crescentes do presidente Donald Trump.

O anúncio "está sendo preparado há algum tempo e muito provavelmente acontecerá em algum momento da semana que vem", noticiou a rede Fox News, citando uma autoridade não identificada. O jornal Washington Post também relatou o anúncio planejado, citando várias autoridades não identificadas.

    As investigações irão analisar reportagens que divulgaram material de inteligência sigiloso, de acordo com as notícias.

    Autoridades do Departamento de Justiça não responderam de imediato a pedidos de comentários.

    Na terça-feira Trump tuitou que Sessions não tem ido agressivamente no encalço das pessoas que vazaram segredos de inteligência desde que assumiu o cargo, uma das várias críticas aparentemente concebidas para forçar o ex-senador republicano do Alabama a renunciar.

    Trump também voltou a dizer que está frustrado por Sessions ter se isentado de uma investigação federal sobre um possível conluio entre a equipe de campanha do presidente e a Rússia, mas não chegou a dizer se irá demiti-lo.

    Parlamentares republicanos saíram em defesa de Sessions, e aliados do secretário disseram que Trump parece estar tentando forçá-lo a se demitir criticando-o constantemente no Twitter e em entrevistas.

    O aparente vazamento mais recente envolveu o próprio Sessions.

Na sexta-feira, o Washington Post noticiou que o embaixador da Rússia em Washington foi flagrado, por meio da vigilância de agências de espionagem dos EUA, dizendo a seus chefes que havia debatido questões relacionadas à campanha presidencial, incluindo temas importantes para Moscou, com Sessions durante a corrida eleitoral de 2016. O jornal citou autoridades antigas e atuais dos EUA a par das interceptações de inteligência.

    Um relatório redigido por membros republicanos do Comitê de Segurança Interna do Senado neste mês afirma que o governo Trump enfrenta uma quantidade "alarmante" de vazamentos para a mídia que representam um perigo para a segurança nacional e exorta as autoridades a intensificarem suas investigações.

    Separadamente, o novo diretor de comunicações de Trump, Anthony Scaramucci, disse à CNN nesta quarta-feira que admite que os vazamentos à mídia "nunca irão parar", mas que está determinado a acabar com aqueles que partem do escritório de comunicações da Casa Branca.

    (Por Eric Walsh)

Reuters