Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos EUA, Barack Obama, durante assinatura de lei de saúde conhecida como Obamacare, em Washington. 23/03/2010 REUTERS/Jim Young/File Photo

(reuters_tickers)

Por Susan Cornwell

WASHINGTON (Reuters) - O Senado dos Estados Unidos deu nesta quinta-feira um primeiro passo concreto para desmontar a lei de saúde do governo Obama, conhecida como Obamacare, após votação para instruir comitês parlamentares a traçarem legislações para repelir o programa, que representa um dos principais legados do presidente Barack Obama. 

A votação foi aprovada por 51 votos a 48. A resolução agora vai para a Câmara dos Deputados, que deve votar a questão nesta semana. Descartar o Obamacare é uma grande prioridade para muitos republicanos em ambas as Casas, assim como do presidente eleito Donald Trump, também republicano.

Republicanos disseram que o processo de derrubar o Obamacare pode levar meses, e o desenvolvimento de um plano substituto pode levar mais tempo. Mas eles estão sob pressão de Trump para agir rapidamente.

Na quarta-feira, o presidente eleito disse que a revogação e a substituição da lei devem acontecer “essencialmente simultaneamente”.

Cerca de 20 milhões de norte-americanos ganharam acesso a cobertura de planos de saúde sob a legislação criada pelo governo Obama. A cobertura foi estendida com a expansão de um outro programa, chamado Medicaid, e através de consultas online onde consumidores podem receber subsídios baseados em sua renda. 

No passado, republicanos lançaram sucessivos esforços legais e legislativos para derrubar a lei, criticando-a como um excesso do governo. Eles dizem que querem substituí-la ao dar aos Estados, e não ao governo federal, mais controle. 

Mas, recentemente, alguns republicanos expressaram preocupações sobre a atual estratégia do partido de votar por uma revogação sem ter um plano substituto pronto. 

O presidente da Casa, Paul Ryan, disse nesta semana querer colocar o máximo de provisões possíveis de substituição na legislação de revogação do Obamacare. Mas o presidente do Comitê de Finanças do Senado, Orrin Hatch, um republicano, disse que isso pode ser difícil sob as regras do Senado. 

A resolução aprovada nesta quinta-feira instrui comitês da Câmara e do Senado a traçarem uma legislação de revogação, com prazo estimado de 27 de janeiro. Ambas as Casas precisão, então, aprovar a legislação resultante antes de qualquer revogação entrar em efeito.

Reuters