Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Rex Tillerson durante depoimento ao Senado dos Estados Unidos 11/01/2017 REUTERS/Jonathan Ernst

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - O Senado dos Estados Unidos confirmou Rex Tillerson como secretário de Estado do presidente Donald Trump nesta quarta-feira, ocupando um lugar-chave na equipe de segurança nacional do republicano, apesar de preocupações sobre os laços do ex-executivo da Exxon Mobil Corp com a Rússia.

Na votação, 56 senadores apoiaram Tillerson, e 43 votaram contra. A contagem representou em grande parte as linhas partidárias, uma vez que todos os republicanos aprovaram Tillerson, além de quatro integrantes da bancada democrata e um independente. O senador democrata Chris Coons não votou.

Os democratas do Senado tentaram, mas não conseguiram, adiar a votação por causa do decreto de Trump proibindo a imigração de sete países de maioria muçulmana, e temporariamente interrompendo a entrada de refugiados.

Eles disseram que queriam fazer mais perguntas a Tillerson sobre a questão depois que Trump assinou o decreto na sexta-feira.

Senadores também expressaram preocupações sobre os laços de Tillerson com a Rússia após o executivo passar anos lá trabalhando para a companhia petrolífera. Alguns o criticaram por não se comprometer a afastar-se de assuntos relacionados aos negócios da Exxon Mobil durante todo o seu mandato como secretário de Estado, em vez de apenas um ano exigido por lei.

Os republicanos disseram acreditar que Tillerson será um líder forte como o principal diplomata do país. Eles também afirmaram que era importante preencher rapidamente as vagas-chave da equipe de segurança nacional de Trump.

(Por Patricia Zengerle, com reportagem adicional de Susan Cornwell)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters