Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líder catalão Puigdemont preside reunião de gabinete em Barcelona 24/10/2017 REUTERS/Ivan Alvarado

(reuters_tickers)

Por Paul Day

MADRI (Reuters) - Líderes separatistas da Catalunha podem convocar uma eleição antecipada em uma tentativa de romper um impasse com Madri sobre a independência da região, afirmou um político local nesta terça-feira, mas autoridades espanholas deixaram claro que isso não será suficiente.

A Espanha disse que vai impor um regime direto sobre a Catalunha na sexta-feira para evitar uma tentativa ilegal de independência, invocando poderes nunca antes utilizados para demitir o governo regional. O governo central de Madri disse que uma eleição não mudará esses planos.

O Parlamento da Catalunha se reunirá na quinta-feira para elaborar uma resposta a Madri, e muitos analistas acreditam que a região pode declarar formalmente sua independência do restante da Espanha.

Separatistas catalães dizem que o referendo de independência do dia 1º de outubro --que teve comparecimento de 43 por cento da população local e que foi majoritariamente boicotado por catalães que desejam permanecer na Espanha-- lhes concedeu um mandato para serem um Estado independente.

Por enquanto, Puigdemont tem se mantido calado sobre a possibilidade de uma eleição, mas um aliado de seu governo pró-independência disse que ele está ativamente considerando essa opção.

"Nós temos evidência de que isso está atualmente sobre a mesa", disse Carles Riera, um parlamentar catalão do partido anticapitalista CUP, em coletiva de imprensa.

Convocar uma eleição seria um passo para preservar a dignidade de Puigdemont, uma vez que pode fortalecer seu mandato caso partidos pró-independência ganhem ou permitir que ele saia com graça se perderem.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters