Navigation

Seul adota regras de distanciamento mais duras para evitar 2ª onda de coronavírus

Mulher usando máscara de proteção dentro de sorveteria em Seul 31/08/2020 REUTERS/Kim Hong-Ji reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 31. agosto 2020 - 16:29

Por Hyonhee Shin

SEUL (Reuters) - Centros de ensino particulares fecharam pela primeira vez na capital da Coreia do Sul nesta segunda-feira, e o tráfego estava leve no primeiro dia útil sob regras de distanciamento mais duras concebidas para evitar uma segunda onda de infecções do novo coronavírus.

Na sexta-feira, a Coreia do Sul adotou a medida inédita de restringir a operação de restaurantes, cafeterias e cursinhos na área da grande Seul – igrejas, clubes noturnos e a maioria das escolas publicas já haviam sido fechados.

A decisão foi tomada porque restrições anteriores à circulação não impediram o surgimento de uma onda de focos de coronavírus em igrejas, escritórios, casas de repouso e instalações médicas.

O Centro para Controle e Prevenção de Doenças da Coreia (KCDC) relatou 238 casos novos até a meia-noite de domingo, a maioria em Seul e em regiões vizinhas. Foi o 18º dia de aumentos de infecções diárias na casa dos três dígitos.

"O quão minuciosamente implantamos o distanciamento social nesta semana será extremamente importante em nossos esforços para cortar os elos das infecções e controlar a disseminação", disse o diretor do KCDC, Jeong Eun-kyeong, em uma entrevista coletiva.

Até agora, a Coreia do Sul relatou um total de 19.947 infecções e 324 mortes da Covid-19, a doença respiratória causada pelo coronavírus.

Menos carros e pessoas estavam nas ruas da capital no horário de pico da manhã, já que as empresas incentivaram seus funcionários a trabalharem em casa.

O governo reduziu a presença de servidores nos escritórios, e muitas corporações, como as gigantes tecnológicas Samsung Electronics, LG e SK Hynix, ampliaram ou reinstauraram diretrizes de teletrabalho.

"A empresa o permitiu pela primeira vez porque o número de casos continuava a aumentar", disse Oh Yun-mi, funcionário de 36 anos de uma empresa de manufatura que nunca havia trabalhado em casa.

Centros de ensino particulares pós-aula que funcionaram normalmente em março, durante a primeira onda de infecções de coronavírus do país, foram interditados.

Existem 25 mil cursinhos em Seul, e nacionalmente três de quatro crianças do primeiro ao 12º grau frequentam tais academias na esperança de melhorar suas perspectivas em um sistema educacional notoriamente competitivo.

(Reportagem adicional de Soohyun Mah e Daewoung Kim)

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.