Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Visão aérea do monte Everest e de outros picos da cordilheira do Himalaia. 24/04/2010 REUTERS/Tim Chong

(reuters_tickers)

Por Gopal Sharma

KATHMANDU (Reuters) - Sherpas do Nepal encontraram quatro alpinistas mortos em suas barracas no Monte Everest, disseram autoridades nesta quarta-feira, com a suspeita de que morreram de envenenamento por monóxido de carbono, levando o número de mortos na montanha mais alta do mundo para 10 no último mês.

Os quatro alpinistas foram encontrados em duas barracas no Acampamento Quatro, a 8 mil metros de altitude, durante a noite, disse Mingma Sherpa, do grupo Seven Summit Treks, ao qual os sherpas pertencem, em Kathmandu.

Não ficou claro como eles morreram e suas identidades não foram estabelecidas, disse Mingma.

O jornal The Himalayan Times reportou que dois dos mortos eram estrangeiros e que as equipes de resgate acreditam que eles morreram por sufocamento.

"É mais provável que eles tenham morrido de envenenamento do monóxido de carbono ao usar os fogareiros na barraca sem a ventilação adequada", disse em um post o alpinista norte-americano Alan Arnette, que tem um blog sobre o Everest.

Os sherpas que encontraram os corpos estavam a caminho de recuperar o corpo de Vladimir Strba, da Eslováquia, que morreu perto dos 8.850 metros de altitude neste final de semana.

O corpo de Strba foi levado para o Acampamento Dois, a 6.400 metros e deveria ser levado para a base mais tarde nesta quarta-feira, segundo Mingma.

Mais de 5 mil alpinistas escalaram o Monte Everest desde que a montanha foi escalada pela primeira vez, pelo neozelandês Sir Edmund Hillary e o sherpa Tenzing Norgay em 1953, e quase 300 morreram tentando.

Muitas das vítimas continuam na montanha, encobertas pela neve, uma vez que é muito difícil levar seus corpos para baixo.

Exaustão, exposição, congelamento, quedas e mal estar pela altitude estão entre as principais causas de morte no Everest.

O maior motivo de mortes nos últimos anos, no entanto, tem sido avalanches.

Dezoito pessoas foram mortas em 2015 quando um terremoto de magnitude 7,8 gerou avalanches que soterraram o Acampamento Base.

Um ano antes, 16 sherpas transportando equipamentos para os acampamentos mais altos para os alpinistas foram atingidos por uma avalanche traiçoeira enquanto cruzavam o Cascata de Gelo de Khumbu, logo acima do Acampamento Base.

Os alpinistas podem subir o Everest pelo lado do Nepal e pelo lado da China. Uma das 10 mortes deste mês ocorreu no lado chinês.

O Nepal emitiu permissões para 371 alpinistas estrangeiros neste temporada, acima dos 281 do ano passado, cada uma custando 11 mil dólares.

Além disso, centenas de sherpas estão escalando a montanha ou ajudando outros a subirem.

As taxas de permissões são uma grande fonte de renda para o Nepal, que recebeu mais de 4 milhões de dólares este ano por conta do Everest, segundo autoridades.

A temporada de alpinismo fecha no final de Maio, quando tradicionalmente começa a temporada chuvosa, trazendo névoa e neve em altas altitudes.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters