Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Representantes de sindicatos protestam em Buenos Aires 22/8/2017 REUTERS/Marcos Brindicci

(reuters_tickers)

BUENOS AIRES (Reuters) - Os principais sindicatos da Argentina foram às ruas da capital nesta terça-feira exigindo mais empregos e protestando contra as políticas econômicas do presidente de centro-direita Mauricio Macri.

Dezenas de milhares de trabalhadores se juntaram na Plaza de Mayo criticando Macri, que está tentando diminuir custos trabalhistas para atrair investimentos e recuperar uma economia que emergiu de recessão na segunda metade do ano passado.

“Se algum retrógrado (no governo) pensa que diminuir salários, condições de vida precárias e destruir sindicatos irá aumentar investimentos... nós dizemos que está muito errado”, disse Juan Carlos Schmid, líder do maior sindicato da Argentina, a Confederação Geral de Trabalho da Argentina (CGT).

De pé em palanque durante o protesto, ele disse que a CGT irá se reunir no final de setembro para discutir uma possível greve.

Macri disse à Reuters em entrevista neste mês que seu governo estava negociando acordos trabalhistas setor por setor, ao invés de tentar passar uma reforma trabalhista como a aprovada no Brasil.

Sindicatos temem que mudanças mais drásticas podem estar a caminho após as eleições legislativas em outubro, no entanto, especialmente após uma eleição primária em 13 de agosto indicar forte apoio à coalizão de Macri.

Macri está tentando abrir a economia da Argentina, por muito tempo protegida, e focar em indústrias competitivas, como petróleo e agricultura, mas tem visto a perda de alguns empregos da manufatura.

(Reportagem de Nicolas Misculin e Caroline Stauffer)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters