Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Josh Smith

CABUL (Reuters) - Aviões de guerra norte-americanos no Afeganistão estão lançando bombas em números que não eram vistos desde o auge do envio de tropas em 2010, em um reflexo da nova estratégia anunciada pelo presidente Donald Trump em agosto para reduzir os limites a ataques e ampliar a abrangência dos alvos militantes.

Em setembro, por exemplo, a Força Aérea dos Estados Unidos lançou 751 bombas, um aumento de quase 50 por cento em relação às 503 de agosto, e alcançou o total mensal mais elevado em sete anos, mostraram dados dos militares.

"O aumento pode ser atribuído à estratégia do presidente para visar mais proativamente grupos extremistas que ameaçam a estabilidade e a segurança do povo afegão", disse a Força Aérea em um relatório mensal.

Seis caças F-16 adicionais foram enviados ao campo aéreo de Bagram, ao norte da capital Cabul, e mais bombardeiros B-52 foram designados para alvejar o Afeganistão partindo de bases no Golfo Pérsico, acrescentou o relatório.

As cifras da Força Aérea excluem ataques do Exército dos EUA, que mantém helicópteros armados e outras aeronaves no Afeganistão.

A estratégia de Trump para o sul asiático incluiu promessas de ampliar a autoridade para que forças norte-americanas ataquem militantes em solo afegão.

"Estes assassinos precisam saber que não têm onde se esconder; que nenhum lugar está fora do alcance do poder americano e das armas americanas", disse Trump no discurso de agosto em que revelou sua estratégia. "A retribuição será rápida e poderosa".

Os planos do ex-presidente Barack Obama para reduzir gradualmente a missão dos EUA no Afeganistão muitas vezes fizeram com que as tropas se limitassem a atacar o Taliban só em certas circunstâncias, como em legítima defesa.

Neste mês, o secretário de Defesa, James Mattis, confirmou ao Congresso que estas restrições seriam anuladas no plano de Trump.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters