Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Militar israelense Elor Azaria, acusado de matar palestino imobilizado, aguarda veredito em corte militar em Tel Aviv. 04/01/2017 REUTERS/Heidi Levine/Pool

(reuters_tickers)

Por Jeffrey Heller

JERUSALÉM (Reuters) - Um militar israelense que matou a tiros um agressor palestino ferido e incapacitado na Cisjordânia ocupada foi condenado por homicídio nesta quarta-feira, em um dos julgamentos mais divisórios da história de Israel. 

Centenas de manifestantes de extrema-direita se reuniram em apoio ao sargento Elor Azaria em uma movimentada rua de Tel Aviv, e alguns entraram em confronto com a polícia do lado de fora de uma base do Exército onde o veredito foi declarado. 

Apesar da campanha da família de Azaria e de críticas feitas por políticos de direta de que as Forças Armadas colocaram o sargento sob julgamento em um momento de ataques cometidos por palestinos nas ruas, líderes militares israelenses argumentaram que disparos fora do regulamento não podem ser tolerados.

A corte militar, com três juízes, rejeitou os argumentos do jovem de 20 anos de que ele agiu em legítima defesa.

O episódio foi pego em vídeo por um ativista de direitos dos palestinos, e a filmagem, distribuída para organizações de notícias, atraiu atenção internacional ao incidente.

Ao ler o veredito, a juíza que presidiu o tribunal, coronel Maya Heller, disse que Azaria matou o palestino por vingança, em março de 2016, após o agressor ter esfaqueado e ferido um companheiro na cidade de Hebron, Cisjordânia. 

A sentença será declarada em data futura. Políticos de partidos de direita já pediram para que o presidente Reuven Rivlin perdoasse o militar, que foi chamado de “filho de todos” pela campanha que o apoia.

A acusação de assassinato tem pena máxima de 20 anos de prisão.

Reuters