Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policiais fazem segurança em local onde homem com faca atacou soldados em Bruxelas 25/8/2017 REUTERS/Eric Vidal

(reuters_tickers)

Por Philip Blenkinsop

BRUXELAS (Reuters) - Soldados belgas mataram a tiros um homem no centro de Bruxelas na noite desta sexta-feira após ele ir em direção ao soldados com uma faca gritando Allahu Akbar (Deus é grande), em um caso que autoridades estão tratando como um ataque terrorista.

O homem, um belga de 30 anos de origem somali, morreu após ser levado ao hospital. Os soldados não sofreram ferimentos graves no ataque; um teve um ferimento facial e outro feriu a mão.

Procuradores disseram que o homem, que não era conhecido por atividades terroristas, gritou Allahu Akbar duas vezes durante o ataque, que ocorreu por volta das 20h15, no horário local, perto da zona central de pedestres da cidade, enquanto os soldados estavam em patrulha.

O caso foi transferido de procuradores locais para procuradores federais, que tipicamente lidam com casos de terrorismo. Uma porta-voz da procuradoria disse que o caso está sendo tratado como uma tentativa de assassinato terrorista.

O prefeito de Bruxelas, Philip Close, disse que o nível de alerta, somente um abaixo do nível máximo, não foi aumentado.

“Indícios iniciais são... de que este é um ataque isolado, uma única pessoa”, disse Close a repórteres ao lado de uma rua bloqueada pela polícia.

Soldados patrulham rotineiramente as ruas da capital belga por conta de um nível de alerta de segurança aumentado após ataques islâmicos a tiros e bombas em Paris, em 2015, e em Bruxelas, em 2016.

Em junho, tropas mataram a tiros um possível homem-bomba na estação central de trens de Bruxelas. Não houve outras mortes. Autoridades trataram o incidente como uma tentativa de ataque terrorista.

(Reportagem adicional de Robert-Jan Bartunek)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters