Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldados amotinados apertam as mãos de oficiais da Polícia Nacional da Costa do Marfim, e se preparam para deixar barreira na entrada de Bouake. 16/05/2017 REUTERS/Luc Gnago

(reuters_tickers)

BOUAKE, Costa do Marfim (Reuters) - Os líderes de um motim militar nacional na Costa do Marfim aceitaram uma proposta do governo de bônus de pagamentos e concordaram em voltar aos quartéis e pôr um fim a sua revolta, disseram à Reuters dois porta-vozes do grupo na cidade de Bouake nesta terça-feira.

"Nós aceitamos a proposta do governo... Nós estamos voltando para os quartéis agora", disse o sargento Seydou Kone, um dos líderes da revolta.

Os soldados rebelados, que paralisaram cidades por todo o país produtor de cacau da África Ocidental desde sexta-feira, rejeitaram um acordo anterior anunciado pelo Ministro de Defesa, Alain-Richard Donwahi, na noite de segunda-feira.

De acordo com a proposta aceita pelos soldados, 8.400 amotinados --principalmente ex-combatentes rebeldes que ajudaram o presidente Alassane Ouattara a chegar ao poder-- vão receber um bônus de pagamento imediato equivalente a 8.400 dólares.

"Nós acabamos de devolver o controle das entradas da cidade para a polícia nessa manhã, e estamos voltando para nossos quartéis", disse o sargento Cisse, outro porta-voz do grupo, se referindo a Bouake, o epicentro da revolta.

(Reportagem de Ange Aboa)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters