Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Ange Aboa e Loucoumane Coulibaly

ABIDJAN (Reuters) - Soldados descontentes que exigem aumentos salariais e pagamento de bônus assumiram o controle da segunda maior cidade da Costa do Marfim, Bouake, nesta sexta-feira, de acordo com o ministro da Defesa.

A Costa do Marfim, maior economia do oeste africano, emergiu de uma crise política que durou de 2002 a 2011 como uma das estrelas econômicas em ascensão do continente. 

No entanto, o Exército, composto no fim do conflito por uma mistura de ex-membros de facções rebeldes e tropas do governo, permanece uma força repleta de divisões internas. 

Um comunicado do ministro da Defesa, Alain-Richard Donwahi, lido na televisão estatal disse que um grupo de soldados havia utilizado armas para abrir caminho para a sede do comando militar em Bouake pouco após a meia-noite (horário local), e então os militares fizeram suas demandas.

“Todos os soldados foram requisitados a permanecerem calmos e voltarem para seus alojamentos para que soluções duradouras possam ser encontradas”, acrescentou. 

Intensos tiroteios foram ouvidos na madrugada em Bouake --cidade de meio milhão de habitantes no centro da Costa do Marfim-- e tiroteios esporádicos continuaram durante a manhã. 

Bouake foi o palco de uma rebelião que controlou a parte norte do país a partir 2002 até a Costa do Marfim ser reunificada em 2011 depois de uma guerra civil.

Também foram relatados tiros durante a manhã em uma base militar em Daloa, o principal centro comercial no cinturão do cacau no oeste do país. Moradores disseram que soldados, muitos deles mascarados, patrulhavam as ruas em caminhonetes.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters