Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Natalia Zinets e Richard Balmforth

KIEV (Reuters) - A Ucrânia declarou nesta segunda-feira que está conversando com a Rússia sobre a volta de 311 soldados e seguranças de fronteira ucranianos que foram forçados pelos combates com os separatistas a entrar na Rússia, mas as autoridades de fronteira russas disseram que eles buscavam asilo.

Os dois lados parecem determinados a usar o destino das tropas para fazer propaganda. As forças do governo ucraniano ampliaram as vitórias obtidas sobre os rebeldes pró-Rússia desde a derrubada de um avião de passageiros malaio em uma área controlada pelos rebeldes em 17 de julho.

O porta-voz de defesa da Ucrânia Andriy Lysenko disse que um grupo de soldados e seguranças de fronteira, que haviam sido capturados entre a divisa russa no leste e posições rebeldes no oeste, cruzaram para a Rússia nas primeiras horas desta segunda-feira.

Ele os estimou em 311, afirmando em um boletim que as tropas entraram na Rússia por motivos de segurança depois de ajudarem seus colegas a irromper nas linhas rebeldes.

Segundo ele, Kiev está negociando com autoridades russas para obter seu retorno.

Em Moscou, autoridades admitiram que tropas da Ucrânia adentraram o território russo – embora tenham estimado seu número em 438 – e que seguranças de fronteira russos disseram que eles cruzaram a divisa de noite buscando asilo.

“Estavam cansados da guerra e não queriam mais participar”, declarou Vasily Malayev, porta-voz dos seguranças de fronteira na região russa de Rostov, à Reuters por telefone, acrescentando que 180 serão devolvidos à Ucrânia ainda na segunda-feira.

O ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, falando à agência de notícias Itar-Tass e à TV Rossiya24, afirmou que a Rússia irá facilitar o retorno dos soldados ucranianos, mas sugeriu que eles estarão sujeitos a ser processados por deserção assim que voltarem para casa.

“Espero que as autoridades ucranianas entendam ser absolutamente inaceitável quando seus cidadãos… são forçados a lutar com seu próprio povo, a tratar aqueles que se recuam a fazê-lo como traidores da pátria mãe”, disse Lavrov.

No domingo, forças do governo ucraniano recapturaram Yasynuvata, importante convergência ferroviária ao norte do bastião rebelde de Donetsk, segundo o porta-voz de defesa, mas os separatistas negaram o fato.

(Reportagem adicional de Alexei Anischuk em Moscou e Anthony Deutsch em Amsterdã)

Reuters