Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestante segura bandeira da Venezuela durante protesto em Caracas 22/6/2017 REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

(reuters_tickers)

Por Andreina Aponte

CARACAS (Reuters) - Soldados venezuelanos atiraram nesta quinta-feira o que aparentavam ser balas de borracha contra manifestantes, à medida que atacavam o perímetro de uma base aérea, e um manifestante foi morto, elevando para ao menos 76 o número de mortos em protestos desde abril.

Ao menos dois soldados dispararam com armas de fogo longas através de uma cerca contra manifestantes a uma distância de poucos metros. Um homem desmaiou e foi carregado por outros manifestantes, de acordo com imagens da TV. Paramédicos levaram ao menos dois outros feridos ao hospital, disse uma testemunha da Reuters.

Os manifestantes começaram a atacar a cerca do lado de fora da base aérea La Carlota no rico leste de Caracas quando forças da segurança dispersaram uma passeata destinada ao gabinete da procuradora-geral.

Centenas de milhares de venezuelanos tomaram as ruas durante os últimos meses para protestar contra a repressão, escassez de comidas e remédios e o plano do presidente Nicolás Maduro de revisar a Constituição.

Maduro diz que violência é parte de um plano liderado pelo exterior para derrubar seu governo.

Um homem identificado como David José Vallenilla, de 22 anos, morreu após chegar a um hospital na cidade de Chacao, onde mais um protesto ocorreu, disse o prefeito.

“Ele morreu em uma clínica particular onde chegou em estado muito grave”, disse o prefeito Ramón Muchacho. 

Reuters