Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Louis Charbonneau
NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - O embaixador sudanês na ONU, Abdalmahmoud Abdalhaleem, rejeitou na segunda-feira uma avaliação sombria feita pela entidade sobre a região de Darfur, e disse que já é hora de as tropas de paz internacionais saírem daquela área.
O diplomata afirmou que o relatório do secretário-geral Ban Ki-moon omite informações essenciais e erra ao acusar Cartum de violar um acordo sobre a presença das tropas de paz.
"Um grande fato deveria ser o foco do relatório - que a guerra acabou", disse ele à Reuters. "Com a paz à vista, a ONU deveria, em coordenação com a União Africana e o governo sudanês, planejar uma estratégia de saída".
A missão conjunta da ONU e da União Africana em Darfur, conhecida pela sigla Unamid, tem enfrentado grandes dificuldades. Há quase dois anos seus comandantes sofrem com atrasos burocráticos e outros obstáculos para a mobilização dos 26 mil soldados aprovados pelo Conselho de Segurança da ONU.
O novo relatório de Ban diz que há atualmente quase 20 mil soldados e policiais em Darfur, onde transcorre uma das piores crises humanitárias do mundo.
O relatório também acusa o Sudão de intimidar e limitar os movimentos da Unamid, violando o acordo com Cartum sobre a mobilização dessa força.
"Os repetidos incidentes de autoridades do governo impedindo o acesso de patrulhas da Unamid são uma violação direta do Acordo de Status das Forças com o governo do Sudão e um sério impedimento à capacidade da missão para implementar o seu mandato", disse Ban no relatório.
De acordo com Ban, isso inclui entraves burocráticos e ameaças com armas e helicópteros militares contra o pessoal da Unamid.
O conflito de Darfur começou em 2003, quando a população não-árabe se rebelou, acusando Cartum de negligenciar a região. O governo, de maioria árabe, reagiu armando milícias, num conflito que deixou mais de 2 milhões de desabrigados. A ONU diz que até 300 mil pessoas morreram, cifra que Cartum rejeita.
Abdalhaleem disse que o foco da ONU deveria ser no sucesso das negociações entre o governo e os rebeldes.
A avaliação de Ban contrasta fortemente com a de alguns funcionários da Unamid que disseram recentemente que o conflito de Darfur praticamente terminou.
Em agosto, um ex-chefe da Unamid disse que a guerra havia acabado, mas dois meses depois a força internacional afirmou que o governo sudanês e as forças rebeldes estavam concentrando tropas na região.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters