Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por James Pomfret e Enrico Dela Cruz

HONG KONG/MANILA (Reuters) - Um super tufão atingiu Guangdong, na China, neste domingo, província mais populosa do país, após causar estragos em Hong Kong e Macau e potencialmente matar mais de 50 pessoas nas Filipinas.

Com ventos de mais de 200 km/h, o ciclone tropical Mangkhut é considerado o mais forte a atingir a região este ano, o equivalente a um "furacão intenso" de categoria 5 no Atlântico.

Isso é mais poderoso que os ventos máximos sustentados de 150 km/h de quando o Furacão Florence atingiu a Carolina do Norte, nos Estados Unidos, na sexta-feira.

O olho do Mangkhut, nome tailandês para a fruta mangostão, do sudeste asiático, contornou 100 km ao sul de Hong Kong, porém a ex-colônia britânica ainda estava presa nas turbulentas faixas de chuva e ventos fortes do tufão.

Hong Kong elevou seu maior alerta de tufão para número 10 no meio da manhã, quando ventos ferozes arrancaram árvores e quebraram janelas em prédios comerciais e residenciais, alguns dos quais balançaram nas rajadas de vento, segundo os moradores.

"Ele balançou por um bom tempo, pelo menos duas horas. Isso me fez sentir tão tonta", disse Elaine Wong, que mora em uma alta torre em Kowloon.

Os níveis de água subiram 3,5 metros em alguns lugares, ondas inundaram estradas e arrastaram peixes vivos, entrando em alguns quarteirões residenciais e um shopping.

"É o pior que já vi", disse o morador Martin Wong à Reuters. "Eu não vi as estradas inundadas assim, (e) as janelas tremem assim, antes."

Os planos de dezenas de milhares de viajantes foram afetados por cancelamentos de voos no aeroporto internacional de Hong Kong, grande centro regional. Companhias aéreas como a transportadora Cathay Pacific cancelaram muitos voos na semana passada.

Nas Filipinas, as vítimas relatadas por várias agências na noite de domingo indicam que o número de mortos pelo impacto de Mangkhut pode passar dos 50, a maioria em deslizamentos de terra perto das áreas montanhosas da região da Cordilheira.

Francis Tolentino, assessor do presidente Rodrigo Duterte e chefe da coordenação de desastres do governo, disse que o número mais recente de vítimas era de 33 mortos e 56 desaparecidos.

O chefe do Comando militar do Norte de Luzon, Emmanuel Salamat, disse à Reuters que pelo menos outros 19 foram mortos em deslizamentos de terra em uma parte da província de Benguet.

Os 19 que morreram faziam parte de um grupo maior de 43 pessoas, provavelmente mineiros, e temia-se que os que ainda estavam vivos ficassem presos em um antigo barracão de mineração que havia desmoronado sob os escombros, de acordo com Tolentino.

As missões de busca e resgate estavam em andamento, e um prefeito local em Benguet, Victorio Palangdan, disse temer que o número de mortos possa chegar a mais de 100.

Separadamente, a guarda costeira afirmou ter recuperado os corpos de três pessoas.

Em Macau, que interrompeu o jogo de cassinos no final do sábado e colocou o Exército de Libertação do Povo da China em alerta para ajuda humanitária, algumas ruas foram inundadas.

"A suspensão é para a segurança dos funcionários do cassino, dos visitantes da cidade e dos moradores", disseram autoridades do maior centro de jogos de aposta do mundo, que enfrentou críticas no ano passado depois de um tufão matar nove pessoas e causar sérios danos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters