Reuters internacional

Por Emma Batha

LONDRES (Reuters) - Um dos maiores supermercados do Reino Unido retirou das prateleiras carne enlatada da brasileira JBS, após investigação conduzida por um jornal sinalizar que o produto poderia vir de fazenda brasileira suspeita de utilizar trabalho escravo.

O jornal The Guardian informou que a JBS, que fornece carne para as maiores redes de supermercados do Reino Unido, comprou gado de uma fazenda do norte do Brasil que está sendo investigada por usar trabalhadores como escravos modernos.

A JBS no Brasil e seu escritório no Reino Unido não comentaram a reportagem imediatamente, mas a empresa disse que parou de comprar da fazenda em questão ao descobrir um possível elo com abusos trabalhistas, segundo o The Guardian.

A Waitrose, loja britânica de alimentos de alto padrão, disse à Thomson Reuters Foundation que está retirando de circulação um dos três produtos de marca própria de carne enlatada, enquanto aguarda o curso da investigação.

"Embora não tenhamos encontrado tais preocupações em nossa própria cadeia de fornecimento... estamos levando estas alegações a sério, por isso interrompemos a compra de qualquer carne processada deles (JBS) enquanto investigamos plenamente", disse o supermercado em um comunicado.        

A produção da JBS também é usada na carne enlatada vendida pelas redes Marks & Spencer, Co-Op, Sainsbury's e Lidl and Princes, segundo o The Guardian, que acrescentou que agora algumas destas lojas também estão investigando e examinando suas cadeias de fornecimento.

A carne enlatada, um produto usado amplamente durante as duas guerras mundiais, quando a carne fresca era racionada, continua popular no Reino Unido, onde é muito utilizada em sanduíches.

O jornal britânico disse que documentos mostraram que, entre 2013 e 2016, a JBS pagou 2 milhões de libras esterlinas (2,58 milhões de dólares) por gado criado em uma fazenda do Pará onde procuradores afirmam que trabalhadores estavam sendo sujeitados a condições de escravidão por dívida.

A polícia brasileira teria descoberto homens forçados a trabalhar em situações desumanas e degradantes, sem abrigos, banheiros e água potável. Os procuradores acreditam que os trabalhadores estavam presos a dívidas, relatou o The Guardian.

"Assim que a JBS soube das irregularidades nas... operações da fazenda em 2016, todas as compras de gado (da fazenda) foram interrompidas", afirmou a empresa, segundo o jornal.

Reuters

 Reuters internacional