Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BAUCHI (Reuters) - Supostos membros do Boko Haram divulgaram um vídeo neste sábado que mostram três pessoas sequestradas que faziam parte de uma equipe responsável por exploração de petróleo no Nordeste da Nigéria, no qual uma das vítimas pede que o governo reduza o uso da força contra os jihadistas.

O grupo, que inclui funcionários da petroleira estatal da Nigéria e de uma universidade, foi sequestrado por supostos membros do grupo militante islâmico enquanto procuravam petróleo na terça-feira na região, que tem sido tomada por conflitos.

Uma tentativa de resgate na quarta-feira terminou com a morte de ao menos 37 membros do time original de prospecção e do grupo de resgate, incluindo militares nigerianos e vigilantes armados, segundo fontes militares e oficiais.

Isso levou a uma mudança de tática pelo governo, em meio a uma série de ataques do grupo que busca criar um Estado Istâmico no nordeste do país e que já causou a morte de pelo menos 20 mil pessoas, além de ter forçado cerca de 2,7 milhões a fugir de suas casas desde 2009.

No vídeo, visto pela Reuters, os homens são vistos aparentemente ilesos e sentados de pernas cruzadas em um chão vermelho, em frente a uma parede. O vídeo foi obtido pelo site de jornalismo Sahara Reporters, com sede nos EUA.

A Universidade de Maiduguri confirmou que os três homens no vídeo são de seus funcionários que trabalhavam na busca por petróleo.

"Eu quero sugerir que o uso excessivo da força não é a solução. Nós queremos pedir que o governo federal atenda a esse pedido e, como prometido, eles vão nos liberar imediatamente", disse um dos homens, que se identificou como professor da universidade.

O grupo jihadista se separou no ano passado, com uma facção liderada por Abubakar Shekau operando na Floresta Sambisa, uma vasta área no nordeste do país, enquanto o outro grupo é aliado ao Estado Islâmico e liderado por Abu Musab al-Barnawi, com base na região do rio Chade, onde aconteciam as buscas por petróleo.

"Quero pedir que nosso presidente em exercício, Yemi Osinbajo, nos resgate atendendo os pedidos dos soldados do califado sob comando de Abu Musab al-Barnaw", disse o mesmo homem no vídeo, que tem quatro minutos e meio.

O presidente em exercício Yemi Osinbajo enviou na quinta-feira chefes militares para o nordeste para ajudar a retomar o controle da situação após insurgentes terem lançado ataques nos últimos meses.

A petroleira estatal, que havia contratado os funcionários da universidade para a busca por petróleo, tem avaliado há mais de um ano o que ela diz serem as maiores reservas de petróleo na bacia do rio Chade.

Ela quer reduzir sua dependência da região do Delta do rio Niger, onde no ano passado houve ataques de militantes à infraestrutura de petróleo local.

(Por Ardo Abdullahi e Alexis Akwagyiram em Lagos; reportagem adicional de Ahmed Kingimi)

Reuters