Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Lawrence Hurley

WASHINGTON (Reuters) - A Suprema Corte dos Estados Unidos rejeitou formalmente planos para analisar a última contestação remanescente a uma versão anterior da restrição de viagens do presidente Donald Trump que atinge diversos países de maioria muçulmana e uma proibição sobre refugiados, mas uma luta sobre a legalidade de suas restrições mais recentes ainda pode chegar aos nove juízes.

A Suprema Corte informou que não irá analisar o caso levado pelo Havaí sobre as restrições, que expiraram e foram substituídas por políticas revisadas. A restrição de Trump de 120 dias sobre refugiados terminou na terça-feira e deve ser substituída por um novo conjunto de restrições.

Dois tribunais inferiores bloquearam a nova restrição de Trump sobre pessoas de oito países, o terceiro conjunto de restrições de viagens de Trump, e a questão pode voltar à Suprema Corte em recurso.

O tribunal rejeitou em 10 de outubro o primeiro de dois casos de restrições de viagens – levados pela União Americana de Liberdades Civis e outros em Maryland – após a restrição anterior de Trump de 90 dias sobre pessoas entrando nos EUA de seis países de maioria muçulmana expirar em 24 de setembro. A restrição foi substituída por uma versão modificada e sem data final envolvendo oito países.

Os juízes devem ouvir argumentos nos dois consolidados em 10 de outubro.

Entre as questões levantadas por desafiantes está se a restrição de viagens discrimina muçulmanos, violando a proibição da Constituição dos EUA do governo favorecer ou desfavorecer uma religião específica. Os mesmos argumentos estão sendo usados contra a nova restrição.

Trump disse que as restrições eram necessárias para prevenir terrorismo nos Estados Unidos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters