Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Fumaça vista em local de explosão reivindicada pelo Taliban em Cabul, Afeganistão. 01/03/2017 REUTERS/Mohammad Ismail

(reuters_tickers)

Por Mirwais Harooni

CABUL (Reuters) - Militantes do Taliban disseram ter atacado alvos da polícia, dos militares e da inteligência em Cabul nesta quarta-feira, e autoridades de segurança confirmaram ataques em ao menos duas áreas da capital do Afeganistão.

Uma explosão intensa foi ouvida na cidade, seguida imediatamente por disparos entre forças de segurança e um número desconhecido de agressores no oeste de Cabul.

O combate se concentrou nos arredores de um quartel-general da polícia perto de uma escola de treinamento militar, de acordo com uma autoridade policial, que falou sob condição de anonimato por não estar autorizado a conversar com a mídia.

Uma autoridade de segurança disse que um agressor estava escondido no edifício da polícia. Um ataque separado pareceu ter visado um escritório da agência de inteligência afegã, o Diretório Nacional de Segurança, nos arredores do leste de Cabul, mas uma autoridade de alto escalão do Exército disse que o ataque pareceu ter sido contido rapidamente.

"Dois terroristas entraram no edifício. Um se explodiu, e o segundo foi baleado por forças de segurança afegãs", disse Abdul Nasir Ziaee, comandante da 111ª corporação, sediada no leste da cidade.

O Taliban, que às vezes exagera o impacto de suas operações, afirmou que os ataques provocaram baixas pesadas.

Um funcionário do Ministério da Saúde Pública informou que uma pessoa foi morta no ataque ao escritório do NDS e que ao menos 35 ficaram feridas e foram transferidas a um hospital após o ataque contra a instalação policial no oeste da capital.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters