Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

CABO CANAVERAL (Reuters) - Astrônomos descobriram uma nova aplicação para a centenária teoria da relatividade de Albert Einstein, utilizando-a para medir diretamente o tamanho de uma estrela.

Em uma pesquisa publicada nesta quarta-feira, cientistas disseram ter utilizado o telescópio Hubble para verificar pequenas mudanças no trajeto da luz de uma estrela distante, à medida que ela passava por uma outra estrela relativamente próxima, conhecida como Stein 2051B.

Pesquisadores aplicaram as descobertas de Einstein para medir como a gravidade da Stein 2051B distorcia a luz de fundo da estrela, um fenômeno que o físico previu há mais de 100 anos. A técnica pode ser aplicada a outras estrelas.

"Foi como medir a movimentação de um pequeno vagalume em frente a uma lâmpada a 1.500 milhas de distância", disse o astrônomo Kailash Sahu, do Telescópio Espacial do Instituto de Ciências em Baltimore, durante coletiva de imprensa.

A pesquisa foi apresentada em uma reunião da Sociedade Astronômica Americana, em Austin, Texas, nesta quarta-feira, e também publicada na edição desta semana do periódico Science.

As mensurações mostram que a massa de Stein 2051B é cerca de dois terços a do Sol no Sistema Solar. É um tipo de estrela conhecida como "anã", que é o que todos os astros menores do que oito vezes o tamanho do Sol ficarão quando exaurirem seu combustível nuclear e entrarem em colapso, deixando apenas um núcleo quente.

"A coisa mais importante para estrela é sua massa", disse Saju. "Se soubemos a massa, sabemos qual será seu raio, quão brilhante será, quanto tempo vai viver, o que acontecerá quando morrer. Tudo depende da massa da estrela."

(Por Irene Klotz)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters